Ainda

Ainda não sei de onde vim.

Se do amor ou da quebra de uma energia.

Ainda me pergunto quem sou.

Se uma mulher ou algo parecido.

Ainda choro quando escurece.

Não sei se é a dor, ou o medo dela.

Ainda ouço meu coração bater.

Não sei se porque precisa ou se é por você.

Ainda sonho com a felicidade.

Talvez porque sou ingênua ou então

Por ter esperança, o que dá no mesmo.

Ainda admiro o mundo,

Por seu tamanho e beleza.

Ainda me deixo levar pelos impulsos.

São fortes e me dominam,

Como Deus ao homem.

Ainda acredito na paz,

Na vida,

Na dúvida,

Nos segredos

Que cada um esconde de cada um.

Ainda quero o que não tenho,

E ainda tenho o que quis,

Apesar da tempestade,

Do vento,

De você.

Ainda sou criança,

Ainda…

Ainda que eu teime em crescer…

Eliana Leite

01/06/1995

Publicado por

Eli Leite

Apaixonada por livros, filmes, poesia, textos, histórias e estórias

2 comentários em “Ainda”

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.