Livros x filmes – às vezes dá certo… outras… nem tanto

Comparar é inevitável, frustrar-se (ou não) é uma consequência … Hoje eu vou comentar sobre alguns filmes que foram inspirados em livros. Espero que gostem das dicas!

Um Dia

“Um dia”. O livro e o filme são muito bons. Diria, até, que é um livro “filmável”, pois seu formato de “um dia por ano” permite que o filme capture o essencial. O elenco ajuda bastante, com exceção do “sotaque forçado” que Anne insistiu em fazer (detalhe bobo, mas que irrita um pouco)… Talvez eu mudasse a cena inicial do filme… Não a considero fiel ao livro e acho que antecipa algo que o livro não faz. Mas, no geral, o resultado é muito bom. Li o livro antes e já assisti ao filme umas 3 vezes. Recomendo os dois!

Resultado de imagem para harry potter e o calide de fogo filme e livro

“Harry Potter e o Cálice de Fogo”. Se você não curte Harry Potter, pode pular esse item… rsrs… Só não li os 2 primeiros livro da série e assisti a todos os filmes (alguns mais de 3 vezes!). “Cálice de Fogo” é meu preferido e o filme é muito bom. Essa sequência é eletrizante, tanto no livro quanto no filme. Tem toda a interação entre as escolas, os jogos, o baile… Muita coisa do filme “bateu” com o que imaginei quando li o livro. Além disso, os atores estão um pouco mais maduros e interessantes e o aspecto sombrio inaugurado por Cuarón em Prisioneiro de Azkaban permanece. Deve ter alguém que ainda não assistiu aos filmes e/ou não leu os livros. Vale a pena! Não me considero uma aficionada, mas curto bastante! Não tem como não reconhecer o sucesso que J.K. Rowling fez com essa série!

“A Culpa é das Estrelas”. Um dos livros mais apaixonantes que já li. Personagens queridos, ainda que o pano de fundo seja triste. O filme não perde em nada para o livro. John Green tem um lugar reservado na minha estante da vida e o filme está, certamente, entre os maios graciosos a que já assisti. Os atores estão ótimos, as cenas são bastante fiéis e a emoção é garantida. Detalhe: Laura Dern está ótima como a mãe de Hazel.

Resultado de imagem para pequenas grandes mentiras

“Pequenas Grandes Mentiras”. Aqui, não se trata de um filme, mas um série (HBO). O livro é ótimo, prende a atenção e tem um trama bem interessante. Não é uma história fácil, pois trata de violência, silêncios destrutivos, traição, bullying… tudo junto e misturado. Li o livro para assistir à série. Esta não decepciona. As atrizes estão excepcionais em seus papéis. Aqui, Shailene Woodley (de a “A Culpa é das Estrelas”, mais madura), representa muito bem a mulher mais jovem do trio, cuja história muda a vida de todos. Coincidência ou não, temos Laura Dern novamente, como coadjuvante, excelente em seu papel de socialite/engajada/insuportável. Palmas para Nicole Kidman, em uma atuação visceral. Sem falar na trilha sonora e nos atores mirins. Vale a pena conferir! Ah, apenas para constar: não sou a favor de uma continuação.

“Objetos Cortantes”. Mais um caso de sucesso de livro que vira série (HBO). Amy Adams simplesmente detona como Camille, uma mulher alcoólatra, deprimida, com problemas psicológicos sérios, que resultam em auto-mutilação. No meio disso, sua mãe, interpretada por Patricia Clarkson (magnífica), faz o contraponto de um quadro deprimente e aflitivo, onde, além de tudo, há um mistério a se desvendar. Li o livro há uns 3 anos e gostei muito. Achei a série bastante fiel em muitas partes, especialmente na ambientação. Há alguns (poucos) personagens que não batem com o que imaginei q seriam, seja fisicamente, seja no comportamento, mas não foi algo que tenha comprometido a trama central. É difícil colocar na tela aspectos subjetivos ou psicológicos, e achei que a direção fez bem em optar por “flashbacks” para mostrar como Camille se sentia com relação a determinadas situações. Por outro lado, isso pode tornar algumas passagens um tanto quanto superficiais. No livro, obviamente, são muito mais exploradas. Vale a pena assistir à série e, mesmo sabendo como o livro termina, ir até o fim e se sentir igualmente impactado. Um detalhe: o ator Chriss Messina, que interpreta o detetive, fez par com Amy Adams em “Julie & Julia”. A química entre os dois se mantém na série. Nada romântica, mas tensa, e ambos se saem muito bem nas interpretações.

“Os Homens que Não Amavam as Mulheres”. Aqui, me refiro à versão americana do filme. O livro é o primeiro da trilogia “Millenium”, de Stierg Larson, e, na minha opinião, o melhor. O filme, com Daniel Craig e Rooney Mara é certinho. Gostei da “persona” que Rooney criou para Lisbeth. As cenas mais marcantes, com ela, foram bem feitas. Não sou a maior fã de Daniel Craig. Ele entrega, somente, sem nada de mais. Quando li o livro, imaginei um Liam Neeson, ou mesmo George Clooney. Nunca havia passado pela minha cabeça que seria Craig. Falta a ele “algo a mais” que
Mikael Blomkvist  tem. Um “quê” de charme meio decadente, de boêmio, de largado. Não vi nada disso em Craig. Para mim, já é algo que tem um peso grande na avaliação “filme x livro”. A história até é bem contada no filme, mas, com exceção de Rooney Mara, é tudo um pouco frio. A propósito, li o 4º livro, “A Garota na Teia de Aranha” e não gostei. Portanto, ainda não sei se vou me arriscar a assistir a este filme. Das coisas estranhas da indústria cinematográfica: os EUA só filmaram o 1º livro e já partiram para o 4º… Imagine fazer isso com Harry Potter?

“A Garota no Trem”. Devorei esse livro. História bem amarrada, mistério a ser solucionado, personagens interessantes… A protagonista é bem deprimente, mas cativa, pois quando você começa a ler o livro, quer ver no que vai dar. Então, veio o filme. Expectativa alta. Quando soube que Emily Blunt faria Rachel, já fiquei um pouco receosa. Não era essa a imagem que eu tinha criado! Enfim, ao assistir, foi decepção atrás de decepção. O roteiro virou uma coisa estranha, o final piegas e tudo o que eu havia gostado no livro se perdeu. Não é um grande livro, mas é bom, e dava um bom filme. Emily Blunt faz o que pode, mas com uma adaptação dessas… não há milagre.

“Marley & Eu”. Esse é um exemplo de livro bom, com roteiro adaptado bom. O livro é uma graça, o filme idem. Owen Wilson está perfeito no papel de John Grogan e sua química com Jennifer Anniston (Jennifer Grogan) é inegável, dando ao filme o tom leve e cômico que o livro tem. Sim, o final é aquele que já sabemos, mas se trata de amizade, escolhas, família, amor… Temas tão importantes e quase esquecidos hoje em dia. Não é só para quem gosta de cães; é para quem quer uma boa história! Tenho uma ressalva (que não compromete o filme como um todo): a parte em que passam tudo em “fast forward” ficou bem estranha…

Resultado de imagem para como eu era antes de você

“Como Eu Era Antes de Você”. De longe, o melhor da trilogia de Jojo Moyes (não achei que deveria ter continuação, ainda mais uma trilogia – li os outros dois e não curti muito…) O filme cumpre muito bem seu papel e conta com a ótima Emilia Clarke. É uma história de amor, triste, mas ainda assim, bela, que trata da liberdade de escolha, de respeito e perdão… Filme para rever, livro para reler…

“A Caixa de Pássaros”. Por fim, um “livro x filme” que me decepcionou horrores. Adorei o livro! Cheio de tensão, te prende até o fim. O livro me deixou com medo, como se eu estivesse naquela casa, naquele rio… Quando divulgaram que viria o filme e, ainda, com a minha ídola Sandra Bullock, no Netflix! Pirei! E, sem ter aprendido com as surras da vida, fui assistir com a expectativa lá em cima. O filme é só “ok”… e olhe lá… Se você leu o livro e assistiu ao filme, sabe do que estou falando. Talvez para quem não tenha lido o livro, o filme não seja tão decepcionante. Não há como não comparar um com o outro. A adaptação peca em não dar a devida importância aos demais personagens, além de Malorie. Até as crianças ficam meio de lado, um tanto quanto passivas demais. Sandra Bullock faz o que tem que fazer, mas o filme deixa muito a desejar.

Espero ter contribuído de alguma forma em sua escolha para um destes livros ou filmes e, se tiver algo a comentar, estou esperando! 🙂

Publicado por

Eli Leite

Apaixonada por livros, filmes, poesia, textos, histórias e estórias

3 comentários em “Livros x filmes – às vezes dá certo… outras… nem tanto”

  1. Você conseguiu falar sobre os filmes e os livros sem contar as estórias e os finais, apesar de serem, supostamente, histórias conhecidas !! Parabéns! Mais do que isso, mesmo sabendo que alguns não são tão fiéis ou tão bons ficamos com vontade de assistir/ler só pra poder ler o post novamente! Show!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.