Barulho

Barulho da janela estalando

Do sol queimando as folhas

Da chuva que não cai

Porque está um calor de janeiro

Em pleno agosto

Barulho do carro descendo a ladeira

Porque moro numa ladeira

Barulho da cozinha de antes

Barulho que hoje quero

E antes tanto odiava

Barulho das cartas de um jogo

Que eu não jogo

Barulho das risadas que me irritam

Barulho do ronronar

Que eu tanto amo

Barulho dos faróis acendendo e apagando

Barulho da noite que não termina

Do sono que não vem

Barulho do salto alto

Da mala desfeita

Barulho do teclado, sem parar

Do estômago que dói

Do coração tum tum tum

Barulho do rádio chiando

Anunciando um novo dia

Barulhos da madrugada

A ciência oculta das estrelas

Barulho da criança que chora

Ninguém sabe o que ela quer

Porque o choro é o desejo sem verbo

O primeiro grito

Barulho da confusão

Interna e externa

Da música

Da noite que me encanta

Barulho dos hormônios explodindo como nunca

Barulho de uma mulher

Indiferente

Diversa

Divergente

Barulho da pergunta

O que eu disse?

O que eu fiz?

Quem sou eu?

Barulho de nós invadindo um ao outro

Deixando um ao outro

Machucando, partindo

Sem nenhum som

Não ouço o barulho da porta que cerra

Do corpo que arde

Das palavras que fogem

Do nada

Do tudo

Do universo

Barulho da terra se unindo ao mar

À lua, a mim

E a mais ninguém

Porque minha alma

Silenciosa

Rasteja sem fazer barulho

Para a luz que ilumina a saída

Um leve ruído

Da insensatez

Sim, é ela que rege essa música…

Eliana Leite

15/08/2006

Publicado por

Eli Leite

Apaixonada por livros, filmes, poesia, textos, histórias e estórias

Um comentário em “Barulho”

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.