Soberania

Esse vermelho, igual ao seu olhar, fulmina.

Queria ser capaz de apaga-lo e tocar na magia escondida.

Existe o paraíso acima das nuvens,

Além dessa vermelhidão?

Até quanto sei que o fogo arde

E que um amor é pecado?

Tantas palavras, parecem corretas,

Mas onde está a verdade?

Não consigo enxergar nada,

Cegada pela beleza.

Sempre desejei que suas mãos

Dessem o calor e deixassem que o medo fosse embora.

O escuro, a luz, seus segredos

Me transformaram em criança, vazia.

Estão todos ao seu redor,

Sem você não há vida.

Erga meu corpo,

Preencha o espaço.

Não queime as esperanças,

Única fonte de sobrevivência

Quando você se faz ausente.

Eliana Leite

18/03/1994

Publicado por

Eli Leite

Apaixonada por livros, filmes, poesia, textos, histórias e estórias

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.