Nuances

Palavras

São importantes?

Ou é o toque, ou é o olhar?

Seria o beijo, o calor dos corpos…

Nada disso?

Seria, então, o amanhecer tranquilo,

O abraço inaugural

Sob o segredo de cada um

Abrir os braços, sorrir, dançar

Confiar…

Esperar, sim, sempre…

A hora certa chegará

Chega para todos, por que não para mim?

Você pode olhar em meus olhos sem medo

Pode sugar meu gemido

Pode percorrer minhas costas com mãos trêmulas

Pode apertar meus braços

Pode me pedir o que for

Pode beijar, beijar, beijar

E, no final, pode querer me entender

Querer me querer

Dizer o que está na sua mente

Mas ainda não…

Posso dizer que sou sua, sem ser?

Posso beijar seus lábios, sem ver?

Posso saborear seu suco, sem beber?

Posso me render, me desmanchar

Sem deixar um pouco em você?

Garantias… não existem…

Não há a ânsia infantil

Mas o seu cheiro ficou em mim

A lembrança do seu olhar

Enquanto eu visitava os astros

Houve fogos de artificio, eu ouvi

Houve uma música incansável

Houve magia?

Desejo? Entrega? Prazer?

Sem palavras…

Elas me abandonaram

De minha boca nada saiu

A não ser um bom dia tímido

Agora elas voltam e me perturbam

Ladrão do verbo…

Dono do silêncio…

Que não tenha sido o fim

E sim o início de tudo

Que você rompa a barreira

Que eu me permita acreditar

Que posso ser verdadeiramente

Amada, por tudo que sou

Não pelas palavras

Não pelo incêndio

Não pela porta dos fundos

E que, se não for por você

Que doa menos do que sempre

Que eu me preserve

Ou que você me diga logo

Mas nem tão logo

Falta muito, não?

Percorreremos o caminho?

A palavra “sim” ou “não”

É importante?

Ou o que conta é pegar na mão e simplesmente

Levar junto…

Eliana Leite

Junho de 2004

Publicado por

Eli Leite

Apaixonada por livros, filmes, poesia, textos, histórias e estórias

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.