Carne, Osso e Segredos

Os sentimentos se misturam,

Abrigam-se em meio ao vazio,

Ocupam espaços indefinidos.

Ao mesmo tempo que preciso de mim,

Não me quero tanto assim.

Enquanto corro da realidade,

É ela que me traz força.

Medo,

Desconforto,

Leveza,

Paz.

Nada é certo,

Tão certo quanto poderia.

Tudo se acaba, mas o fim não.

Navegando em opostos,

As ondas engolindo a razão

E a brisa expulsando a verdade.

De que somos feitos, afinal?

Um pouco de carne, osso

E muitos segredos.

Impossível atravessar limites

Sem estabelecer outros.

Difícil esquecer momentos sem viver outros.

Há tantas armadilhas,

Palavras, gestos,

Tantas sequelas, lembranças, dúvidas…

Procurar pelo caminho sem enxergar,

Pisando ou em areia

Ou em terra,

Ou em qualquer lugar.

Surpreendendo-se com o óbvio,

Aproximar-se dele e esquecê-lo de repente.

Por que?

Amar de várias maneiras, várias pessoas,

Ninguém…

Amar…

Por que não?

Eliana Leite

25/08/1995

Publicado por

Eli Leite

Apaixonada por livros, filmes, poesia, textos, histórias e estórias

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.