Valsa Viva

Como cantam o coração,

A alma…

Canções distantes, insistentes.

Não passam de suaves assobios,

Durante a noite,

O dia,

Todo dia.

Ouço e danço

Durmo com a melodia dentro de mim.

Entendo cada nota, crescendo,

Vibrando,

Fora de mim.

Fecho os olhos

E vejo tudo o que se passa,

O tempo que passou,

Parou nesse momento.

Nessa longa estrada em que flutuo,

No começo, sem fim.

Apenas sigo, com a música, comigo.

Como cantam os olhos, a boca,

O corpo.

Canções de amor, prazer,

Jovens ilusões.

Cantam.

Calam.

E ouço sempre

A voz do amanhã…

Eliana Leite

Val21/08/1995

Publicado por

Eli Leite

Apaixonada por livros, filmes, poesia, textos, histórias e estórias

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.