A vida em si

Às vezes chego a definir sua forma

Algo muito vago e composto por sonhos.

Às vezes paro para lembrar sua voz

Chamando pelo mundo em silêncio.

Existe uma grande força em seu corpo

Que não age em linhas fixas.

Sai por aí, procurando verdades que são raras

Mas não cabem em você.

Quantas vezes te amei calada

Para não atrapalhar seu sono.

E ainda assim quero partir

E ainda assim quero ficar

Não para sempre, nem por um minuto

Apenas para podermos nos entender

E viver nossas angústias juntos,

Sem medo das dúvidas

E esperando sempre algo mais,

Tentando sempre o que podemos

Para que tudo passe,

Tudo fique,

Assim como foi criado o mundo.

Eliana Leite

(1991)

Publicado por

Eli Leite

Apaixonada por livros, filmes, poesia, textos, histórias e estórias

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.