Filme – “Malévola: A dona do mal”

Assistido em 11/11/2019 – Espaço Itaú Pompeia – Legendado.

Sempre penso que os filmes que se propõem a ser uma sequência tem um grande desafio à frente. Para mim, quando a história não foi originalmente concebida para ter uma continuação, o desafio é ainda maior. E a sensação de um certo oportunismo fica no ar. Às vezes, ela se confirma, outras, não.

No caso da sequência do filme Malévola, a continuação ficou aquém do original. Isso já era esperado, pois a grande sensação do primeiro filme (que eu não pensei que teria uma continuação) era Angelina Jolie e sua personificação da vilã mais adorada da Disney. O que esperar, portanto, de um segundo filme? Mais Angelina Jolie, claro. Só que tudo que é muito, cansa. Michelle Pfeiffer trouxe certo encanto ao filme, pois isso já lhe é natural, ainda que com uma personagem tão caricata. Já Elle Fanning foi uma grande decepção. Tudo o que ela trouxe de doçura e encantamento no primeiro filme se transformou em uma atuação bem preguiçosa e sem graça. O mesmo digo com relação ao ator Harry Dickinson, que interpreta o príncipe Philipp. Ficou um casal sem sal, insosso mesmo. Fora isso, tivemos a surpresa da existência de outros seres como Malévola, o que foi bonito, mas um tanto quanto sem sentido quando pensamos no primeiro filme. Para variar, as outras criaturas de Moors são uma graça, e encantam. A cena com as fadinhas, ao final, é fofinha.

Em resumo, o filme tem ótimos efeitos especiais, é um pouco parado, sem grande originalidade, mas com cenas bonitinhas e o brilho de Angelina Jolie a Michelle Pfeiffer para alegrar a tarde. Para fãs. Não espere muito.

Publicado por

Eli Leite

Apaixonada por livros, filmes, poesia, textos, histórias e estórias

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.