Nós e Apertos

Aquele velho e conhecido aperto no peito

O nó que se forma ao se guardar o sentimento

Remoer

Por temer que a voz que vai sair seja um rugido

Rugido que pode espantar

Por não ser compreendido, ou bem visto

Nem por mim mesma.

Então, olho para o sol, para o céu, sinto o vento em meu rosto

Lembro-me do porque me sinto assim

Dos outros nós que desatei

E vou digerindo.

Chega de úlceras

Chega de ervas daninhas.

O rugido pode ser escrito

Transformado

E somente por mim mesma.

Eliana Leite

15/02/2021

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s