Frutos

Somos frutos

(quem dera) de um ato de amor

(antes fosse) de um ato consensual

(todos esperam) de uma decisão consciente

Seja como for, aqui estamos

Uma vez nascidos, tememos a morte

E vivemos fugindo dela,

Para, ao final, sucumbir

(que irônico)

Culpamos nossos genitores de (quase) tudo

Até do que sequer eles sabem que carregamos

Brigamos até o dia em que já é tarde demais

(o tempo sempre é curto)

Não é justo um pai sobreviver ao filho

Então, o filho fica para cuidar do pai

Que não quer

(quanto trabalho)

Nem todo filho quer ser pai

Ou todo pai quer seu filho

Mas aí está: todos os dias filhos nascem

(quem pediu para nascer?)

O amor dos pais é desejado

Mas não acontece para todos

A vida é dura, o mundo é mau

(quem irá nos proteger)

Lobo, galinha, ganso, urso, tigresa, leoa

Antes os animais do que os humanos

Para representar o amor incondicional

(mas eu te amo só se você me amar)

Há desconforto no passar do tempo

Nas palavras duras, não ditas

Há certo alívio no passar dos anos

No esquecimento das brigas

(quando foi isso mesmo)

Somos todos frutos

De uma explosão, programada ou não

O que se faz de nós

Meros pedregulhos jogados ao mundo

(segure o choro)

Eliana Leite

(03/08/2021)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s