De Trilhos e Sombras

Photo by Tim Foster on Unsplash

Há alguns dias, sempre que saía de casa, Márcia tinha a sensação de que alguém a seguia. Ia a pé para a estação de metrô, todos os dias da semana. Andava por uns 15 minutos. A sensação só parava quando entrava no trem. Durante o percurso a pé, olhava para trás, e nada. Às vezes, acelerava o passo, outras parava bruscamente. Houve ocasiões em que desviou ou tentou se esconder, mas a sensação não mudou. Não ouvia passos ou qualquer ruído similar, mas sentia essa presença constante. Chegava a arrepiar os pelos da nuca. Quando comentou com a amiga do trabalho, esta logo disse que era encosto e recomendou que fosse se benzer. Marcia chegou a cogitar, mas deixou para lá. Encosto? Onde já se viu? A coisa já se arrastava por meses. Incomodava. Travava sua concentração. Um belo dia, resolveu ir de Uber para o metrô. A sensação parou naquele mesmo dia. A contragosto, repetiu a dose no dia seguinte e assim até o final daquela semana. Problema solucionado! Na segunda-feira, chamou o Uber novamente. Porém, a sensação de que algo ou alguém a observava voltou. Olhou ao redor, nada. Não era possível! Isso só podia ser coisa da sua cabeça! Foi então que resolveu voltar à rotina e ir a pé até a estação. Já familiarizada com a sensação, parou de se incomodar. Pensou que, se algo tivesse que acontecer, aconteceria, independentemente do que ela fizesse. A situação era tão surreal que passou a aceitá-la, resignada. Duas semanas se passaram, até que um belo dia, a sensação não cessou quando entrou no trem. Sentou-se, preocupada. Alguém a observada dentro do trem? Olhou ao redor, tentando identificar algum tipo suspeito. Decidiu marcar bem a fisionomia das pessoas ao seu redor para, no dia seguinte, começar uma investigação mais profunda. Já andava naquele metrô há uns bons anos, e alguns rostos eram familiares. Passaria a observar melhor. Isso a irritou um pouco, pois teria que deixar de ler. Para não perder tempo, traria um caderno e anotaria tudo. Dividiria o grupo entre pessoas “fixas” e “volantes”. Daria apelidos, como, por exemplo: “moça dos olhos verdes e cabelo vermelho que masca chiclete com a boca aberta e fica olhando o celular – fixa”. “Homem alto que não se senta e sempre carrega um guarda-chuva preto com cabo de madeira – fixo”. “Senhora levemente corcunda que usa tênis confortáveis – volante”. E assim por diante. No dia seguinte, iniciou suas anotações. Percebeu que, até então, olhava pouco para as pessoas., sempre tão absorta em sua leitura. Percebeu, também, que a sensação de ser observada aumentava enquanto escrevia. Quando ficava insuportável, ela parava para olhar. Algumas pessoas olhavam de volta, assustadas e se afastavam. “Que bom, agora, vão me chamar de louca!” Após uma semana de anotações, ao chegar em casa, decidiu ler o que havia escrito. Não conseguiu chegar a nenhuma conclusão útil, a não ser que as pessoas eram bichos condicionados e estranhos. Não identificou nada ou ninguém suspeito. Grande parte dos passageiros estava na categoria “fixa” e quem era “volante” tinha comportamentos que sequer mereciam atenção. “Definitivamente, estou ficando louca…” Naquela noite, não dormiu. Pela primeira vez, teve medo. Não sabia o que estava acontecendo e já não conseguia pensar em nenhuma outra solução. Pela manhã, quando tocou o despertador, não teve forças para levantar e se arrumar para trabalhar. Mandou uma mensagem para seu chefe informando que não poderia ir. Não se lembrava da última vez que faltara ao trabalho. Estava se sentindo um caco. Chegou a pensar em ligar para a irmã para ver se a mãe estava bem, mas desistiu. Para que ligar? A mãe dela estava doente há um tempão, sem sinais de regressão do câncer. Mas toda vez que Márcia ligava, tinha a impressão de estar incomodando, e nunca conseguia falar com a mãe. Muita água tinha rolado, muitos ressentimentos acumulados. Não queria causar mais dor ainda, só de ter que fazer com que a mãe fosse praticamente obrigada a ouvir sua voz e fingir que estava tudo bem. Ela podia se organizar e ir para perto de sua mãe, visitar, ficar alguns dias. De novo, se perguntou, “para quê?”. A última vez que tinha ido para lá, parece que fez com que tudo piorasse. Joana quase pediu para que a irmã não voltasse mais. Claro que não pediu, mas aquele olhar dizia tudo, quando se despediram na rodoviária… Durante o trajeto de 12 horas no ônibus-leito, Márcia só conseguia prometer a si mesma que não voltaria mais. Com esses pensamentos, perto de 10h00, sentiu o cansaço e o sono dominarem. Dormiu um sono sem sonho e despertou, horas depois, sem saber ao certo onde estava, que dia era… Estava escuro. Novamente, teve medo. Tateou a parede em busca do interruptor. Ao acender a luz, avistou uma sombra à sua frente. Gritou. A sombra permaneceu imóvel. Sentou-se na cama e se cobriu até o pescoço, tremendo de frio e de terror. Não conseguia pensar, falar, se mover. Notou que a sombra lembrava o formato de uma grande ave. Franziu os olhos para tentar decifrar o que via e conseguiu, enfim, se mexer. De forma quase involuntária, foi se aproximando da sombra. Ao chegar bem perto, a sombra abriu as asas. Márcia deu um pulo para trás: “É você que está me seguindo todo esse tempo? O que você quer de mim? O que é você?” Sem saber de mais nada, o que era realidade ou fantasia, começou a esmurrar a parede, chorando e implorando para que tudo aquilo acabasse. Então, a sombra desapareceu. Márcia olhou ao redor, ofegante. Correu para a sala, em busca de algum sinal da sombra. Foi para a cozinha. Nada. Então como num impulso, se dirigiu para a área de serviço. Notou que janela estava aberta. Acendeu a luz e, ao olhar para o chão, não conseguia acreditar no que via: penas e mais penas no chão. Grandes penas cinzas e brancas. Apreensiva, pegou uma na mão. Macia, porém firme. Sem pensar, roçou a pena em seu rosto, sentindo a textura. Fechou os olhos e se recordou de sua infância, quando corria com a mãe e a irmã pelo campo do rancho em que cresceu. Quando corriam em busca dos pássaros. E ficavam em êxtase quando o bando voava sobre suas cabeças. Acordou de seu devaneio com o toque do telefone. Empertigou-se e foi atender: “Alô?” “Márcia? Sou eu, Joana… é sobre a mamãe…”

Eliana Leite

(Iniciado em 13/02 e concluído em 12/03/2019)

Resenha – Livro “Ariel”, de Sylvia Plath

Comprei este livro (talvez tardiamente) em 2019, na Livraria da Travessa, em São Paulo, no bairro de Pinheiros. Senti-me atraída pela capa, além de fazer um tempo que queria ler algo de Sylvia. Por que existem autores que ensaiamos ler e não o fazemos? Será que é porque não estamos prontos para eles e, então, o tempo vem e nos informa “agora, é a hora”? Acho que foi assim que me senti ao ver este livro, sua capa, e então o abri, vi que era uma edição restaurada e bilingue, com os manuscritos originais. Livro comprado, ficou um tempo na estante, esperando. E assim foi que, em meio à quarentena do novo Corona vírus, decidi que o enfrentaria. Fiz algo que há muitos anos não fazia – peguei uma lapiseira e comecei a grifar o livro, fazer anotações nas margens, nas partes em branco… Usei a parte em português apenas para tirar dúvidas pontuais que pudessem prejudicar meu entendimento. Ler os poemas em inglês foi algo saboroso. Pois bem, vamos à resenha.

Tudo começa com a Apresentação – O Caso Ariel. Nada como ter o histórico do livro, quando ela escreveu, porque, o que isso significou. E acho que é preciso separar o trágico final de Sylvia de sua obra, ainda que ela mencione a morte em alguns poemas. Por isso, esta apresentação vem bem a calhar, e mostra que Ted Hughes, e não o julgo por isso, tentou omitir os poemas mais explícitos, digamos assim. Porém, depois de alguns anos, foi publicada esta edição que eu li, que respeitou os desejos de Sylvia, com a publicação de todos os poemas que formavam a coleção Ariel.

Vamos, então, ao prefácio, escrito pela filha de Sylvia, a também poeta Frieda Hughes. E, como toda filha, ela busca entender os pais. Critica a forma cruel como o pai foi tratado após a morte de Sylvia e publicação, por ele mesmo, de Ariel, como se estivesse vilipendiando o túmulo da esposa. Além de ter cometido adultério, teria interferido de forma indevida nos direitos autorais da autora. Ela diz que tais coisas “não guardam nenhuma semelhança com o homem que calma e carinhosamente” a criou, e com a ajuda de sua madrasta. E, completa que “o tempo todo ele manteve viva a memória da mãe que me deixara, e eu sentia como se ela estivesse tomando conta de mim, uma presença constante em minha vida.” Ela segue, relatando como era viver em torno de uma imagem “milagrosa” de tudo o que se referia à mãe. E então, finalmente, nos diz que “isso foi muitos anos antes de eu descobrir que minha mãe tinha um temperamento feroz e um caráter ciumento, em contraste com a natureza mais equilibrada e otimista de meu pai.” Cita, ainda, que houve ocasiões em que Sylvia destruiu o trabalho do marido, uma vez rasgando-o e outra queimando-o. Chega, então, à conclusão de que a mãe, “assim como era uma poeta excepcional, era também um ser humano”. Ela vê tudo isso como um restabelecimento da verdade, e uma forma de melhor compreender a mãe. Ela precisava entender tudo isso para poder entender a si mesma (entendemos a nós mesmos por meio de nossos pais, avós, antepassados, ancestrais). Frieda encerra o prefácio: com chave de ouro “Quando ela morreu, deixando Ariel como último livro, foi flagrada no ato de vingança, com uma voz que havia sido afiada e praticada durante anos, posteriormente com a ajuda de meu pai. Embora tenha se tornado uma vítima disso, no final das contas ele não negou sua maestria. Essa nova edição, restaurada, é minha mãe naquele momento. É a base do Ariel editado por meu pai. Cada versão tem significado próprio, embora as duas histórias sejam uma só.”

Devo admitir que a leitura dos poemas de Sylvia Plath não é fácil, pois ela tem um estilo bem hermético e intimista de escrita. Faz referências a coisas que viveu em seu dia a dia, mistura com momentos históricos, memórias e traumas. Na verdade, em minha opinião, os grandes poetas são aqueles que fazem com que você leia o poema e fique flutuando, tentando depois buscar um chão para pousar. Não necessariamente há o objetivo de “entender”, “decifrar”, “interpretar”. A própria Sylvia, quando lhe pediram para “explicar” os poemas em um programa de rádio, foi breve e seca. Não cabem explicações. Não cabe dissecar cada poema, em busca do momento em que ela se referia a tirar sua própria vida, ou se referia à traição do marido. Há muito mais do que isso. Há nuances, há explosões, há véus, há amor, há ódio e contemplação. Nem consigo resumir tudo isso em algumas palavras. Por isso, resolvi colocar aqui algumas impressões minhas, particulares, não “validadas”, “breve e secas”, sobre alguns poemas (vários eu li mais de uma vez).

“Morning Song” – um poema de uma mãe para um filho/filha. Há tantas menções a uma sensação de pertencimento e ao mesmo tempo desprendimento. Não tenho filhos, não sei como é, mas pude sentir o amor no poema. “The clear vowels rise like balloons”.

“Thalidomide” – senti amor desfeito, desilusão, decepção. “A space for thing I am given. A love of two wet eyes and a screetch. White spit of indifference?”

“The Applicant”- retrataria duas pessoas jovens se conhecendo, se relacionando, a ideia de casamento, da prisão à vida social, convenções, uma “boneca viva” (“will you marry it?”)

“Barren Woman” – pessoalmente, apesar de ser o mais curto, é o que mais se parece com um soco no estômago. Silêncio e vazio. Conversou comigo dentro de minha alma.

“Lady Lazarus” – consigo imaginar porque esse poema, como mencionou Frieda, foi praticamente dissecado até as entranhas. Carregado de uma série de figurações “diabólicas”, flerta com a morte e a ressurreição de uma mulher demoníaca, poderosa. Para mim, é um grito de liberdade, de feminilidade, de empoderamento sobre si mesma: “Herr God, Herr Lucifer / Beware / Beware. Out of the ash / I rise with my red hair / And I eat men like air.”

“Tulips” – me pareceu uma narrativa de uma experiencia no hospital. Posteriormente, verifiquei que ela escreveu quando teve apendicite.

“Elm” – a impressão que ficou para mim foi de que algo a assombrava (o tal Olmo). Por fim, fiquei com a seguinte pergunta ao final: o que a assombrava? Ela mesma?

“The night dances” – minhas impressões: luzes do cometa, dos planetas, luz sobre ela (pequena)… afinal, qual nosso tamanho?

“The Detective” – inegável que houve a descoberta de traição. E a traição que leva à morte da família, uma morte invisível.

“Ariel” – um lindo poema. Detalhes, pequenas coisas, choro de criança, orvalho, pescoço de cavalo. Eu não saberia quer era dedicado ao cavalo dela, se não tivesse lido isso na introdução e no prefácio.

“Death & Co.” – fiquei com as seguintes perguntas: quem é ele? O condor? É o marido? É um amor? É a morte à espreita? Alguém que fica ferido de morte? E assim fiquei… não busco respostas.

“Lesbos” – uma deliciosa viagem… Lesbos era a ilha em que a poetisa Safo nasceu… e fiquemos com isso…

“The Other” – adultério, adultério, adultério…

“Medusa” – fiquei intrigada… e então descobri que era sobre ninguém mais do que a mãe de Sylvia. O que me deixou olhando para a parede, sem saber o que pensar foi o final: ‘’there is nothing between us.”

“Purdah”- retrato de opressão, também mostra a esperança, para mim, quando ela diz “I shall unloose / From the small jeweled / Doll he guards like a heart / The lioness / The shriek in the bath, / The cloak of holes.”

“A Birthday Present” – só consegui escrever “WOW” ao final. Vivi para poder ler algo assim.

“Daddy” -ela fala do nazismo, de ser judia, das injustiças… busca se libertar, chamando-o (ironicamente?) de “Daddy”, dizendo, ao final “Daddy, daddy, you bastard, I’m through”.

“The Bee Meeting” e os demais poemas, todos sobre as abelhas são uma verdadeira declaração de amor a esses seres, já que ela criou abelhas. Lindos poemas, para ler de forma contínua, até chegar em “Wintering”.

Ao final, há as notas que ajudam a contextualizar alguns dos poemas. Fiz algumas checagens sobre o que eu tinha apreendido, mas sem muito compromisso, pura curiosidade. Meu único compromisso era com Sylvia: ler Ariel do começo ao fim.

Thank you, Sylvia.

E obrigada, Elis Regina, por ter sido a trilha sonora enquanto eu escrevia esta resenha.

Eliana Leite

08/06/2020

Isolamento

Existe o silêncio lá fora

E o silêncio aqui dentro

Um é quieto

O outro, eloquente

Grito, calada

Sussurro ruidosamente

Meus barulhos internos

Bloqueados pela quietude do mundo

Mundo em quarentena

Pessoas silenciosamente revoltadas

Olho para o vazio

Repleto de abandonos

Caixas empoeiradas esperando no armário

O pó se move por toda a casa

E deposita sua vastidão

Nas relações do não dito

Sonhos mal interpretados

Perdidos no isolamento

Mazelas e feridas abertas

Sangue que escorre por entre os vãos

Todos em casa

Ninguém ouve quando ela chora

Lamento mesclado ao horror

Desobediência não é mais anarquia

Virtuosos gritam regras por escrito

Regras por 24 horas

Todo o dia, algo novo

Toda noite, uma amnésia

A criança trancada

Só quer sair para brincar.

Eliana Leite

(22/05/2020)

Joana

De olho no relógio para não perder a hora da reunião, Joana estava tensa. A apresentação estava pronta, ela estava preparada, mas sempre ficava nervosa quando tinha que falar em público. Tinha ensaiado diversas vezes, mas mesmo assim, estava insegura. E se fizessem mil perguntas e ela não soubesse a resposta? “Diga simplesmente que vai verificar e depois retorna por e-mail”, seu marido dizia. Ela sabia que para ele era mais fácil, pois era extrovertido e estava acostumado a esse tipo de exposição. Ele sempre se saía bem, mesmo que fosse pela tangente. Quantas vezes ela não se perguntou porque não conseguia ser assim, desprendida e descontraída, como se aquilo fosse algo normal, sem tanto stress e cobrança? Faltavam quinze minutos para a reunião e Joana foi para a sala. Sempre chegava pelo menos com cinco minutos de antecedência, ainda que soubesse que nunca começavam nada no horário. Ao chegar, como previsto, não havia ninguém na sala. Escolheu um lugar perto da mesa de café e tomou mais alguns minutos para ler suas anotações. Aos poucos, as pessoas foram chegando e a reunião começou com 10 minutos de atraso. Joana contou: 2 mulheres e 8 homens. Uma das mulheres era sua par. Um dos homens, seu chefe e outro, chefe do seu chefe. O tema da reunião era apresentação dos resultados do mês. Cada gerente tinha que apresentar sua parte. Era meio ridículo que Joana se sentisse nervosa, após anos fazendo esta reunião, todo mês. Porém, não conseguia controlar. Sentia que, no momento em que abria a boca, o ar ficava pesado e todos olhavam para ela, prontos para fazerem alguma pergunta para a qual ela não estaria preparada. Nem sempre isso acontecia. Havia ocasiões em que ela saía ilesa. Achava curioso que sua par não parecia sofrer do mesmo mal. Nunca faziam perguntas fora do contexto para ela. Quando ela comentava sobre o assunto, recebia um aceno de mão e um comentário do tipo “imagina, querida, você foi ótima”. Não ajudava muito. Naquele dia, Joana seria a última, o que podia ser bom ou ruim, dependendo do andar da reunião. Se os gerentes apresentassem direitinho, o chefe e o chefe do chefe aceleravam a reunião e não faziam perguntas. Mas, se a coisa degringolava, o último a apresentar era o que mais sofria. Joana torceu para que seus colegas fizessem um bom trabalho. A primeira apresentação correu bem, sem grandes percalços. A partir da segunda, o clima começou a pesar, pois as notícias não eram muito boas. Projetos não concluídos, prazos não cumpridos, gastos que excediam o orçamento previsto para o mês sem justificativa prévia, viagens não autorizadas, e assim por diante. Joana sentia o suor escorrendo em suas costas. O frio na barriga aumentava. Olhou para suas anotações. Não tinha notícias maravilhosas, mas também não havia nada de terrível a ser apresentado. Tentou se manter confiante. Ao chegar sua vez, iniciou com alguns dados introdutórios, ao que seu chefe a interrompeu e pediu para que fosse direto ao assunto, pois tinham pouco tempo. Foi então direto ao assunto e apresentou seus resultados, procurando dar enfoque ao que era positivo. Não conseguiu terminar, pois o chefe do chefe interrompeu e comentou a respeito do formato da apresentação, que estava fora do template corporativo. Joana estranhou o comentário, pois os dois colegas anteriores tinham apresentado no mesmo formato que o dela. Outro comentário foi sobre o inglês, que acharam que estava muito formal e as informações não estavam claras. Ela tinha que ser mais objetiva, ele dizia. Joana tentou prosseguir e, ao chegar perto do final, viu que todos estavam olhando para seus celulares, ou tendo conversas paralelas. Resolveu encerrar ali mesmo. Nisso, seu chefe olhou para a tela e disse “só isso? Ok, obrigada”. Joana se sentou, sentindo-se um lixo, procurando ignorar o bolo que se formava em seu estômago. Ao final das reuniões, a sessão de tortura começava: tanto o chefe de Joana, quanto o chefe do chefe, faziam comentários sobre cada uma das apresentações e, com exceção de algum ou outro, todos eram duramente criticados. No começo, Joana anotava as críticas e procurava incorporar as mudanças para as próximas apresentações. Porém, nunca estava à altura. Era bem desgastante. Naquele dia, por algum milagre, a par de Joana foi a primeira a ser criticada. Disseram que a apresentação dela precisava ser alterada para conter mais explicações, pois o documento iria para o exterior e tinha que ter mais informações. Em seguida, meteram o pau na apresentação dos dois Gerentes Juniors, que sempre levavam a pior. Joana sempre se perguntava como eles aguentavam ainda. Ao final, reservaram a crítica final para ela. Disseram que sua apresentação estava amadora e que parecia que ela tinha passado para o estagiário fazer. Joana ia responder, ao que seu chefe levantou a mão para impedi-la, dizendo “não terminei ainda”. Então, ele começou a falar que entendia que o momento dela não era propício, pois ela tinha acabado de voltar da licença-maternidade e devia estar difícil manter a cabeça no lugar com um bebê em casa. Joana ia responder novamente, mas foi imediatamente interrompida. Ele continuou o discurso, falando que a empresa dava plenas condições para as “mamães” (sim, foi assim que ele colocou), mas que ela tinha que colaborar. Não podia apresentar um trabalho feito em cima da hora e ainda esperar que eles entendessem. Joana se preparou para responder, mas o chefe do chefe logo arrematou: “Talvez você precise pedir a um de seus colegas que a ajude. Que tal o Claudio, ou mesmo a Karen? Ela não tem filhos, sempre fica até mais tarde. Talvez possa te dar uma mão, né Karen?” Karen apenas levantou o olhar e deu um sorriso sem graça. Claudio prontamente se colocou à disposição, mas Joana o interrompeu e disse que agradecia mas que não era necessário. Questionou em que parte sua apresentação estava amadora ou incompleta e comentou sobre os resultados, todos dentro da meta. Seu chefe apenas gesticulou, como se aquilo fosse desnecessário e respondeu algo como “não precisa se explicar”. No final, decidiram que Claudio a ajudaria a formatar a apresentação, já que a dele estava sempre impecável. Joana teve ódio imediato de Claudio, de quem já não gostava muito. Achou desnecessário comentar ali que Claudio nunca fazia suas apresentações. Era sempre a analista sênior que se matava e ele apenas ia colher os louros na reunião. Diria isso a ele depois. Sabendo que não tinha mais o que dizer, se calou. A reunião acabou. Ao sair da sala, foi direto ao banheiro, para tentar se acalmar. Não demorou muito para ver Karen entrando esbaforida. Quando Karen viu Joana, hesitou, mas logo começou a desabafar: “nossa, nunca fui tão maltratada!” Joana olhou para ela e disse “eu sempre sou. Bem vinda à realidade”. Karen saiu do banheiro pisando duro. Joana teve vontade de estapeá-la. As duas tinham que ser mais unidas, não era assim que funcionava a tal sororidade? Saiu do banheiro e resolveu ir até a sala de Karen. Entrou, fechou a porta, sentou-se e perguntou: “o que você achou do que eles falaram para mim, sobre a questão dos filhos e etc?” Karen se empertigou, pois não esperava este confronto. Joana continou: “sei que não somos amigas, mas podemos ao menos ser aliadas e compreensivas uma com  a outra. Você é mulher. Eu sou mulher. Não estamos no time deles.” Karen olhou para baixo, sem dizer nada. Joana não conseguiu se conter e quase gritou: “pelo amor de Deus, diga alguma coisa!” Karen se assustou e começou a chorar. Joana esperou. Então, soluçando, Karen pediu desculpas. Disse que só naquele momento a ficha tinha caído e percebeu a megera que estava sendo. Achava-se privilegiada por nunca ter sido criticada, não queria ser vista com Joana, que era sempre motivo de comentários negativos nas reuniões, de uma forma ou de outra. De uma forma egoísta, Karen achava que Joana não pertencia ao clube dos bons. Disse assim mesmo “clube dos bons”. Joana riu, com desdém. Karen admitiu que aquilo era ridículo. “Ouvindo o comentário dele sobre seu retorno da licença, me senti atacada. Sei que tenho agido mal, mas gostaria de mudar isso.”. Joana sorriu, pôs a mão sobre a de Karen e respondeu: “Sempre podemos mudar o que não está bom. Juntas, será um pouco mais fácil”. Saiu da sala e, cheia de coragem, foi acabar com a raça de Claudio.

Circo

No picadeiro, a música toca

Os palhaços brincam

A plateia boceja

Lá no alto, a artista anda na corda bamba

E sabe que, se cair, nada acontecerá

O show se repete a cada noite

Os acrobatas zombam do mágico

A plateia boceja

A bailarina fugiu com o homem-bala

O globo a morte está vazio

A contorcionista se cansou

O cuspidor de fogo só faz fumaça

A plateia boceja

Plateia esta que sempre vem

Tira fotos e não as vê

E se vai, morta de tédio

Todos os dias serão assim?

Como mudar o amanhã

Sem que tudo se acabe de vez?

Eliana Leite

(12/05/2020)

Enquanto isso, na quarentena…

Dia 08 de maio de 2020. O dia em que resolvi abrir novamente meu caderno de anotações e olhar para meu propósito. Por que fujo do meu propósito? Estou colocando a culpa na pandemia. Conveniente, não?

Apenas para lembrar a mim mesma, meu propósito é ESCREVER:

“O que o pintor busca nas tintas

O que o ator busca no palco

O que o pescador busca no mar

Eu busco na escrita.”

Completo um ano desde que “pedi as contas” no meu último emprego. Um ano! Há um ano, eu não tinha ideia do que me esperava. Deu medo, frio na barriga, bateu a dúvida, mas fui. Percebo, hoje, que não havia outro caminho. Não para mim, ou para minha sanidade. Eu era escrava da minha própria condição. Via-me como vítima. Esse papel é ingrato. Não é fácil tomar uma decisão de ruptura. Ainda que se trace um plano, absolutamente nada garante que ele vai dar certo.

Os primeiros meses foram de adaptação a uma nova realidade. Eu poderia ter desistido do meu propósito, adiado novamente e sucumbido. Mas não o fiz. Publiquei 3 livros pela Amazon (de forma independente), sendo um deles parte de um projeto de muitos anos, em que compilei tudo o que havia escrito desde os idos de 1990. Com relação ao trabalho de consultoria, o caminho é mais vagaroso, requer paciência e disciplina. Resolvi fazer um investimento em março deste ano e me associei a uma empresa. Estou apostando nisso como meu projeto de empreendedorismo, que, sei, se concretizará a médio/longo prazo.

Procuro não “pirar” por conta de dinheiro (ou da não entrada dele). Às vezes, dou uma leve surtada. Em 30 dias, terei que fazer mudanças radicais no meu orçamento. Isso já estava no plano (apesar de ter tido um pensamento, lá atrás, de que em um ano já teria alguma grana entrando). Enfim, apertar para depois soltar.

Tenho mil ideias na cabeça, mas confesso que não tem sido tarefa fácil colocar em prática. Eu saí da “rede de segurança” que eu tinha quando andava na corda bamba do mundo corporativo e agora não tem mais volta. Simplesmente não volto mais ao picadeiro. Não mais no mesmo papel.

Filmes com Drew Barrymore

Sempre fui fã da Drew Barrymore. Acredito que tenha assistido a quase todos os filmes que ela fez depois de voltar de vez ao cinema (ela havia, digamos, dado um tempo). Vou listar aqui alguns filmes com ela de que gosto muito:

Resultado de imagem para E.T.: O Extraterrestre

Preciso dizer algo sobre E.T? Drew era uma menina, fofa, linda e que gritava bastante…rsrs…

Resultado de imagem para Nunca Fui Beijada

Acredito que este tenha sido o filme do “recomeço”, quando Drew estava de volta, firme e forte. É uma comédia romântica irresistível, bem anos 90. Faz tempo que não revejo. É uma graça.

Resultado de imagem para Para Sempre - Cinderela

Este também é um filme dos anos 90, que faz parte do que eu chamo do retorno da Drew. Uma história bem bonitinha e empoderadora, que coloca a atriz bem à vontade com seu estilo diferentona de ser. Para as jovens daquela época, era um alívio ver um filme que “desencantava” as histórias de princesas e afins.

Resultado de imagem para Afinado no Amor

Como se pode perceber, o final dos anos 90 foi muito produtivo para Drew Barrymore. Este filme é uma delícia e traz Adam Sandler com um frescor de tirar o fôlego. A química entre os dois é maravilhosa e se repetiu em outro filme, que logo comentarei. Para mim, “Afinados no Amor”, é um hit dos anos 90 e tem que ser assistido por todos!

Resultado de imagem para As Panteras

Ao contrário de Cameron Diaz, com quem tenho “mixed feelings” sobre sua capacidade de atuação, acho que Drew Barrymore acertou em cheio ao fazer esta versão dos anos 2000 de “As Panteras”. Ela é engraçada, irônica e não leva nada disso a sério, o que torna sua personagem irresistível. Um ícone cult, praticamente.

Resultado de imagem para Riding in Cars with Boys

Eu simplesmente AMO esse filme. Feito em 2001, ele me arrebatou de uma forma que não consigo nem descrever. Tenho em DVD e pretendo guardar por muitos e muitos anos. A história é sensacional, e Drew mostra aqui seu grande talento de fazer uma jovem, uma adulta, uma senhora… Ela transita facilmente em todas essas fases sem se tornar uma canastrona. Certamente, é um dos TOP 10 da minha lista. Não assistiu? Está perdendo.

Resultado de imagem para Como Se Fosse a Primeira Vez

Acho que é o filme mais fofo, engraçado e romântico dos últimos tempos. Novamente, a química dos dois aqui é incrível. Já assisti várias vezes e nunca me canso.

Resultado de imagem para Music and Lyrics

Vai me dizer que você não adora esse filme, com o Hugh Grant fazendo um papel de “semi” fracassado e a Drew mostrando seus dotes artísticos e sendo toda contida e fofa em seu papel. Eu adoro tudo nesse filme.

Resultado de imagem para Grey Gardens

Nesse filme feito para a TV, vemos uma Drew Barrymore majestosa, livre de todas as personagens que sempre acaba fazendo. O filme teve 17 indicações ao EMMY em 2009. Excelente, imperdível!

Resultado de imagem para Já Estou com Saudades

E termino com essa pérola de 2014. Filme forte, triste, com duas atrizes que amo. Drew está mais madura, e isso fica visível na tela. Recomendo.

E agora, fica a pergunta: Drew, qual o próximo grande filme? Nem me venha com Santa Clarita Diet por favor.

Borboletas

Nesse meu delírio, calor e frio

Você vem à mente, quase uma luz

Que logo se apaga,

Lágrimas na escuridão

O seu nome sufocado pela agonia,

Dor no peito…

Saudades…

De que?

Do que quase era, do pouco que não foi,

Será um dia?

Seria?

Quem iria primeiro?

Dou a mão, o braço, o corpo inteiro,

A boca, o querer

E ao abrir os olhos, você se foi

E diante de mim, flores na parede, ar frio,

A lâmpada quebrada

As roupas no chão…

Deito-me em minha cama e sinto tudo rodar

Pronuncio seu nome e esqueço seu rosto

Para, no dia seguinte, gritar, rasgando por dentro,

Sem ter onde segurar

Apenas o suor frio, que escorre pelas costas,

Molha a roupa e me enlouquece

Doente de amor?

Louca de desejo?

Você nunca saberia, ou poderia entender,

Não olha ao seu redor

Pego minhas palavras e as lanço ao vento,

Mais uma vez,

Para que se percam e, um dia desses, voltem a mim

Ou fiquem pregadas numa placa de rua qualquer

Não corra, não ame, não feche o cruzamento

Essa linha tênue que separa

Sanidade e loucura,

Amor e amizade,

Febre, delírio…

Voo para longe, junto das outras mariposas

Vida breve,

Nela não mais cabe você, que fica para trás

Tentando caçar borboletas…

Eliana Leite

03/06/2004

Barulho

Barulho da janela estalando

Do sol queimando as folhas

Da chuva que não cai

Porque está um calor de janeiro

Em pleno agosto

Barulho do carro descendo a ladeira

Porque moro numa ladeira

Barulho da cozinha de antes

Barulho que hoje quero

E antes tanto odiava

Barulho das cartas de um jogo

Que eu não jogo

Barulho das risadas que me irritam

Barulho do ronronar

Que eu tanto amo

Barulho dos faróis acendendo e apagando

Barulho da noite que não termina

Do sono que não vem

Barulho do salto alto

Da mala desfeita

Barulho do teclado, sem parar

Do estômago que dói

Do coração tum tum tum

Barulho do rádio chiando

Anunciando um novo dia

Barulhos da madrugada

A ciência oculta das estrelas

Barulho da criança que chora

Ninguém sabe o que ela quer

Porque o choro é o desejo sem verbo

O primeiro grito

Barulho da confusão

Interna e externa

Da música

Da noite que me encanta

Barulho dos hormônios explodindo como nunca

Barulho de uma mulher

Indiferente

Diversa

Divergente

Barulho da pergunta

O que eu disse?

O que eu fiz?

Quem sou eu?

Barulho de nós invadindo um ao outro

Deixando um ao outro

Machucando, partindo

Sem nenhum som

Não ouço o barulho da porta que cerra

Do corpo que arde

Das palavras que fogem

Do nada

Do tudo

Do universo

Barulho da terra se unindo ao mar

À lua, a mim

E a mais ninguém

Porque minha alma

Silenciosa

Rasteja sem fazer barulho

Para a luz que ilumina a saída

Um leve ruído

Da insensatez

Sim, é ela que rege essa música…

Eliana Leite

15/08/2006